sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Os Gambás com Trouxas Coloridas II

Gambá, segundo a Wikipédia, vem de "guámbá, o ventre aberto, a barriga oca por causa da bolsa onde cria os filhos (- in Silveira Bueno - Vocabulário Tupi-Guarani/Português). É o nome popular dos maiores marsupiais da família dos didelfídeos, pertencentes ao gênero Didelphis, que habitam do sul do Canadá à Argentina e são onívoros."
Sim, é claro.
Mas e as trouxas coloridas?


0000Lá estava eu, então, como aqueles que leram o post anterior devem saber, encarando nada menos do que sete gambás enormes, com focinhos finos e narizes cor-de-rosa.
0000Ligeiramente intrigada pelo fato de estarem aqueles peculiares gambás portando trouxinhas coloridas, decidi, após pensar intensamente no assunto por alguns instantes, que aquilo não me importava e que a coisa mais sensata a se fazer era entrar no quarto o mais rápido possível e me trancar lá dentro, deixando que os gambás fizessem em paz seja lá o que gambás com trouxas coloridas fazem na calada da noite.
0000Mas não fui rápida o bastante. No momento em que tomava minha sensata decisão e esticava a perna para adentrar o quarto uma daquelas (não tão) simpáticas criaturinhas saltou à minha frente, empinou-se nas patas traseiras e falou:
0000- Crrrr gggrrrmm huhh shh gggggggwhmrrrrrrrrr!!!
0000Ah, ótimo. Maldita hora em que resolvi cabular as aulas de gambês para beber cerveja.
0000- Eu – disse, apontando para mim mesma – não – falei, abanando a cabeça – entendo você – apontei finalmente para o bicho de pé à minha frente.
0000- Gworrrc chrrrrzp gmrrrrrrrhk! – disse outro gambá, que possuía marcas escuras parecidas com o aro de um óculos redondo ao redor dos olhos, rosnando para o primeiro – Desculpe meu irmão. Você deve falar português, certo? – continuou o marsupial, olhando para mim.
0000- É... é. – balbuciei, sem saber o que mais dizer.
0000Obviamente existem gambás que falam português. Completamente normal, totalmente natural, não é mesmo; não entre em pânico, Karol, NÃO ENTRE EM PÂNICO, PORRA!!!
0000- Sim, é claro. Bem, como você deve saber, gambás geralmente não falam língua humana nenhuma, mas eu, como você também deve ter percebido, sou um caso excepcional de inteligência gambística. Possuo um poder de assimilação raríssimo na espécie, o que deveria propiciar-me o devido respeito e admiração, porque, modéstia à parte, sou único, não é mesmo?, mas, infelizmente, meu dom não é reconhecido no meio devido à falta de comunicação entre humanos e animais, visto que os primeiros não se importam com ninguém além deles mesmos, não é verdade?
0000- Ah... é...
0000- Enfim, sem mais enrolação, preciso dizer-lhe que você deve vir conosco.
0000- Quê?!
0000Puta-que-o-pariu!!! Não entre em pânico o caralho!!! E agora?
0000- Então, senhor gambá...
0000- Meu nome é Dalton.
0000Dalton?!?
0000- Então, senhor Dalton, receio que não vou poder acompanhá-los, uma vez que...
0000- Não, não foi um convite. Foi uma intimação. – Dalton virou-se para os outros e continuou – Gwrrrrshzzz gwoogczczcz ksksksksks!
0000Vi sete gambás nada amigáveis aproximando-se rapidamente de mim e, antes que pudesse esboçar qualquer reação, não vi mais nada.

(Continua!!)

"Todo o dia a isônia me convence que o céu faz tudo ficar infinito"

3 comentários:

Boneka de Porcelana disse...

relaxa, kem sabe vc ñ vai beber umas cervejinhas c os gambás ^^

ps.: a verificaão das palavras se enganou qto ao animal, pois ela disse fffox em vez de gambás... =P

777 disse...

Eh dessa vez achei mais rapido!
uhurn..deixando 77tisses de lado, cara, eu sabia que essa historia tava normal de mais pra ser dessa minha amiga ai viw!

la vamos nos entrar na nave de folhas de eucalipito secas com cheiro de limao dos gambazinhos fuço rosados!

... (ninguem merece!)

tati disse...

Será que gambás tomam cerveja?