domingo, 2 de março de 2008

O Barquinho de Papel Vermelho da Banheira

(Ao som de Pink Floyd - The Wall 1 e 2)

Havia um barquinho de papel vermelho na banheira.
Ele navegava feliz, imaginando ser aquele o oceano.
Seus horizontes estendiam-se aos azulejos cirurgicamente brancos do banheiro e ao pequeno quadrado azul de céu que aparecia pela janela.
Seu único companheiro era um patinho de borracha amarelo e mudo.
Juntos, subiam e desciam pelas quase ondas e estavam certos de que aquilo era tudo o que se poderia existir.
Um dia, tiraram a tampa do ralo e o barquinho desceu pelo esgoto.
Em seu trajeto pelo submundo, descobriu que havia muito mais para se conhecer do que jamais pudera imaginar, e refletiu sobre como pôde ter passado tanto tempo acreditando que o mundo se reduzia a azulejos brancos e um pequeno quadrado de céu azul.
Quando deu por si, porém, já não era mais um barquinho de papel vermelho, era um composto amassado de sujeira marrom.
E isso não fez a menor diferença.

...

(Só pra constar, não sabia que lagartas listradas apareciam todas ao mesmo tempo.
Será que elas são listradas mesmo ou minha turva visão regida pela Lua é que projeta-lhes listras coloridas?
Fruto das frustrações com as pseudo-flores-coloridas-sem-cor, eu suponho.
De qualquer forma, espero não derramar o suco de beterraba no vestido outra vez; a mancha demora demais para sair.)


"Hey, you! Don't tell me there´s no hope at all/ Together we stand, divided we fall"

6 comentários:

Eu mesma (Ligeiramente influenciada por JuBbS MiGuXa xD) disse...

[momento emo on]

*franja na cara e maquiagem borrada*

Ninguém comenta mais, aqui...
Ó, céus, ó, vida...

*Snif snif*

[momento emo off]

xDDDD

Hahahah...

Tati disse...

¬¬''

Enfim... *ignorando seu comentário*

Suco de beterraba mancha, é? Não sei... Nunca tomei.

Mito da caverna de Platão adaptado para Mito do banheiro de Karol von Ammon. XDD

Bom.
É.

777 disse...

Neste, suponho que é ridículo imaginar que o mundo é assim tão pequeno ou que somos assim tão importantes.
Porém, ao mesmo tempo é inútil conhecê-lo por completo, ou mais do que podemos, se torna apenas irrelevante nossa existêcia, quem dera então nossa passado, mais ainda um futuro para o nosso futuro.

Sabe, por mais que eu venha a não conhecer tudo por seu todo, prefiro me manter na minha banheira à não fazer a menor diferença!

"In my field of paper flowers and candy clouds of lullaby I lie inside myself for hours and watch my purple sky fly over me"

Mari L.ee Jones disse...

Então... parece que a inspiação resolveu dar as caras, eh!?

elfen_queen disse...

me sinto um barquinho sujo depois desse texto.
www.rainhadeelfame.weblogger.com.br

Neo-k disse...

realmente..... ao descer pelo ralo, perdemos a cor =X .. e oq resta eh apenas sujeira...

oh shit.. mas naum importa pra mim q sou o barquinho =X

mas tb.. quem axar esse barqquinho vai passar por ele... e vai ignorar... pq ele perdeu sua cor =X

q injustiça.... =/