terça-feira, 11 de novembro de 2008

Devaneios no Metrô

Metrô de São Paulo, linha que leva nada a lugar nenhum, sete horas da noite.

Estava eu praticando meu esporte predileto nesse tipo de situação – esporte este que consiste em observar e analisar descaradamente as pessoas à minha volta – quando notei, bem à minha frente, sentado em um dos bancos reservado para idosos e deficientes, um homem barrigudo de cabelos grisalhos que lia um livrinho fino de aparência comum.

Gutembergomaníaca que sou, pus-me então a tentar decifrar qual livro aquele tal seria.

Um livro de auto-ajuda, talvez? Do tipo “Como perder 10 kg em uma semana”? Sua pequena barriga certamente acharia um desses muito útil.

Poderia também ser um daqueles livros melosos e românticos de banca-de-jornal, tipo Sabrina, Stéphanie, Paola... não, não; quem costuma ler esses livros são garotinhas fúteis e velhinhas frustradas. (!)

Ah! E se fosse um livro erótico daqueles “Kama-Sutra para iniciantes” ou “Livros para se ler com uma mão só”? Hohoho, isso seria interessante; poderia aquele distinto senhor barrigudo ser um tiozão pervertido que—
Hum. Deixa pra lá.

Finalmente o homem pousou o livro em seu protuberante abdome, de capa virada, permitindo-me então que lesse o título: “O porquê do himem – Este é um livro que deve ser lido! Todos os homens e mulheres que foram adolescentes na década de 1960 devem ler este livro para aprender como ter de volta tudo aquilo que o Diabo roubou. O amor livre foi o pior erro dessa geração, as conseqüências disso são o grande numero de divórcios—

Fiquei alguns instantes em choque. Precisei virar-me de costas e me esconder entre alguns pares de braços e mãos para não rir abertamente e correr o risco de ouvir um sermão inflamado do homem barrigudo dono do livro sobre o “porquê do himem”.

Voltei a observar o tal senhor. Cabelos grisalhos, rugas de expressão, olhos escuros e fundos. Quantos anos teria? Uns sessenta? Teria ele sido jovem durante a liberação sexual do meio do século XX? Teria ele ouvido Beatles, usado LSD e sido hippie naquela época? Estaria ele passando por dificuldades no casamento e, não sabendo mais em quê se apoiar, voltando-se para a religião, resolveu colocar a culpa em coisas que aconteceram há quase cinqüenta anos atrás, com o agravante de ter sido levado pelo diabo?

É, não sei como ainda me surpreendo com certos exemplares da minha espécie. Muito mais fácil pôr a culpa no demônio do que arcar com as conseqüências dos próprios atos.

Sim, é claro, porque foi justamente isso. O Diabo que roubou a moral e a decência dos adolescentes dos anos 60, por isso tem tanta gente se divorciando hoje em dia.

Obviamente; nada mais natural. E foi nisso que fiquei pensando enquanto voltava para casa e colocava-me a escrever sobre o ocorrido.

Deveríamos ainda casar todas virgens, os garotos sendo iniciados por prostitutas, uma vez que precisavam chegar ao casamento sabendo desse tipo de coisa.

Deveríamos continuar com um casamento, por mais infeliz e perturbado que fosse, apenas para manter as aparências, porque a igreja e a sociedade diziam ser o casamento uma união única e indissolúvel.

É, deveríamos mesmo voltar a viver como famílias do século XIX; naquela época não havia tanto divórcio, não é? Mas isso significa necessariamente que as pessoas eram mais felizes?

Nada contra o casamento ou a virgindade, desde que a pessoa tenha optado por isso por livre e espontânea vontade em busca da própria felicidade. Acontece que foi justamente só depois das revoluções culturais da década de sessenta que foi possível ao indivíduo escolher. E se Deus é amor e quer o bem à Sua criação, privilegiando-a até mesmo com o próprio Livre-Arbítrio, não entendo qual o problema em se ter a possibilidade de escolher, não entre o pecado e a pureza, mas sim entre a felicidade e a frustração.

E não me venham com discursos prontos de felicidade da matéria X felicidade do espírito, não acredito que se possa ser verdadeiramente feliz sem que haja equilíbrio entre as duas.

E... e chega, que cansei de escrever.

4 comentários:

Monalisa disse...

É... interessante.
Gostei do texto, muito bem escrito por sinal :P

Eu também não curto esse papo de [i]felicidade da matéria X felicidade do espírito[/i]... particularmente, prefiro a felicidade da matéria. Hahaha.
Pelo menos no assunto em questão.

Passarei a visitar o blog com freqüência. Gostei. Vou linkar ok?

Abraço da Monalisa.

Ps.: Ficou curiosa? hahah Pois... acabei de postar o final. Ainda não tinha digitado. Apesar dos meus 21 anos, ainda estou no tempo de escrever com papel e caneta.

thi_elmauer disse...

O Gordinho da Discórdia !
hehehehehe =D

Adoro vocêêêê babeeee =)

Beijãooo ;*******************

Marco(h2o) disse...

Ah que legal, sempre imaginei que o metro fosse um lugar legal para se conhecer pessoas e que la realmente tem de tudo!!!

mas cuidado pois no metro habitam espécies ameçadas de extinção, que se sentindo ameaçadas nos amibientes em que estão acabam dando o "bote"....

Moral da história: Cuidado com os tiozinhos de meia-idade!!!


e vivas os hippie!
a seu blog tbm é cultura!!

Mari L.ee Jones disse...

não entendi até agora o porque de ser 'o porque do hímem'